Um grito – Um grito de alerta, Um grito de socorro, Escute esse meu grito!!!!

Projeto GRITO
Um grito
Um grito de alerta
Um grito de socorro
Escute esse meu grito


Um grito, por mais forte que ele seja, não se propaga no vácuo. Debaixo da agua suas partículas tornam-se tão densas que se torna inaudível, no caso de um grito articulado na linguagem, como um grito de socorro.
O discurso é incapaz de narrar o trauma, somente o grito o é, mas ambos se inviabilizam diante da violência. Durante o período de isolamento em virtude da pandemia de covid 19, inúmeras mulheres são submetidas a convivência 24 horas por dia com seus algozes. Mães, tias, esposas, primas, irmãs, filhas..mulheres em distintas qualidades familiares são violentadas pelos pais, irmãos, esposos, filhos, netos e primos.
Estas vítimas estão submetidas a paradigmas civilizacionais que os condenam a dependência financeira e afetiva, as possibilidades de fuga que podemos de longe premeditar, para estas mulheres, impedidas de trabalharem e de construir carreiras e moralmente estigmatizadas por uma sociedade onde os homens podem tudo e elas nada podem, todas alternativas à condição de violência cotidiana são devaneios tolos. “É assim mesmo”, “ a gente acaba por se acostumar”, “ele não faz por mal, é o instinto do homem”; “ele tem esse lado agressivo, mas é um bom homem”. Ainda se resignando diante destas situações, algumas destas mulheres aceitaram fazer o experimento de mentalizar suas dores, contraí-las no peito e solta-las em um grito, embaixo da agua, sim, mas ainda um grito. Aqui você não será ouvida, você tem a si mesmo e tem a água, qualquer palavra dita não será propagada para além de si mesmo, por um instante tudo poderá ser solto no esquecimento, um grito submerso para a eternidade, e quando você emergir, ele já não será.


O fotografo Denis Zubieta capturou o instante exato e sublime deste grito, a sua expressão única. Se utilizou do maior artificio da fotografia para sublinhar um ponto no tempo e no espaço que jamais se tornará a repetir, assim como todos os outros, mas este em especial ocorreu porque era preciso, porque o número de mulheres vitimas de violência doméstica tem aumentado de maneira assustadora durante o isolamento social, e talvez este grito, ainda que submerso, ainda que distorcido pela representação fotográfica, possa ser ouvido para que tudo isso acabe.

Um pouco sobre o processo

Olá, tudo bem? Me chamo Denis Zubieta, sou fotógrafo, artista visual e webdesigner. Venho aqui falar um pouco sobre a obra GRITO cuja a temática é a respeito da violência contra mulher.
Violência esta que aumentou muito, segundo dados do 180, aumentou por volta de 40% no ano de 2020 e que na maiora desses casos aconteceram dentro de suas próprias casas. Em geral são cometidas por seus maridos, tios, pais, filhos com diferentes motivos, mas todos eles tem uma coisa em comum que é o machismo estrutural arraigado dentro de nossa sociedade.

Então a ideia foi unir 7 mulheres em um único propósito, a de dar um grito de basta.
Escolhi como ambiente a piscina, lá embaixo d’água, seu grito sufocado e mesmo carregado de revolta tenta romper com esses paradigmas da sociedade tentando ir além de um simples grito submerso. Um grito que tenta romper com esses paradigmas impostos.
Visualmente procuro tratar de forma densa e solitária a vida, a revolta e a dor dessas mulheres.

A dor da não representatividadeA dor da liberdade cerceada e além disso tudoA dor física que muitas das vezes levam a morte muitas dessas mulheresNeste final de semana que se passou, nos reunimos em uma piscina aquecida rsrsrsrs, vale lembrar que a água está fria nessa época do ano, então procuramos uma escola de natação aqui da capital para nos dar esse apoio.
A equipe conta com 10 pessoas entre produção e atrizes que toparam esse desafio e não poderia ser diferente, o ensaio em si foi maravilhoso, as meninas estavam bem entrosadas, mostrar o que sente se revelou uma experiência importante, não só pra mim, mas para todos nós envolvidos.
Lançado nas redes sociais e, através de um site (projetogrito.art.br), a ideia foi separar 3 fotos de cada e dar um tratamento, claro que com a preocupação de não alterar os aspectos emocionais de cada uma. Meu trabalho foi levar esse sentimento o mais fiel possível da realidade.

Como Acessar

Link para a exposição fotográfica: https://projetogrito.art.brLink para a vídeo-arte: https://youtu.be/o-GkeVAbNf8
Ficha Técnica
Equipe (Perfil Instagram)
@marciaalbuquerqueartesvisuais – Márcia Albuquerque
@leticiapolidorio – Letícia Polidorio
@agatha_scaff – Ágatha Scaff
@romilda_pizani – Romilda Pizani
@anaritamoraesdornelles – Ana Rita Dornelles
@t.pizani – Tuani Pizani
@shirfujita – Shiley Fujita
@dixx.zubietinha – Ana Júlia Zubieta
@aurelio.vinicius – Aurélio Vinícius
@dixx.stutzin – Gustavo Stutz
@denis.zubieta – Denis Zubieta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *