Em obras e no centro da Rota Bioceânica, MS tem cenário promissor de negócios

O Governo do Estado tem atuado de forma efetiva no projeto de implantação da Rota Bioceânica, importante corredor de integração rodoviária que ligará o Atlântico ao Pacífico rumo ao mercado asiático. Obras já iniciaram no Estado ao comando do secretário da Seinfra Eduardo Riedel.

A obra que vai ligar Brasil, Paraguai, Argentina e Chile traz inúmeras perspectivas de desenvolvimento para essas localidades, em especial os Estados e municípios que fazem parte da travessia.

Em Mato Grosso do Sul a economia criativa desponta nesse cenário promissor de novos negócios, emprego e renda.

Na avaliação do secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel, investimentos como este são estratégicos e de efetivo resultado. “A modernização em todo o Estado passa por um ponto muito importante, que é a Rota Bioceânica. Neste sentido, Porto Murtinho é fundamental como importante polo de exportação dos nossos produtos, das nossas commodities, potencializando nosso setor produtivo em um ciclo positivo de geração de renda e empregos”, destaca.

Startups

A Rota Bioceânica motivou uma iniciativa de cooperação internacional pela Associação Sul-mato-grossense de Startups (StartupMS) que está mapeando lideranças de inovação no Paraguai, Argentina e Chile. “Entendemos que o estado pode ser um ponto de entrada para startups da América Latina no Brasil”, afirmou ao Valor Econômico, o diretor da Associação Sul-mato-grossense de Startups (StartupMS), Luiz Soares Alves.

Na avaliação do diretor-presidente da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia (Fundect) Márcio de Araújo, a consolidação da Rota Bioceânica irá acelerar ainda mais o ambiente de inovação e tecnologia no Estado. “Além dos estudos que poderá gerar, o acesso aos suprimentos e a inserção em redes tornará nosso estado ainda mais competitivo”.

 

O ecossistema de inovação em Mato Grosso do Sul conta com diversos agentes e ambientes de inovação em crescimento, e que recebem o apoio da Fundect, entre eles o Living Lab no SEBRAE e Litech na OAB. “O Estado ainda não tem um Parque Tecnológico efetivamente implantando, mas a FUNDECT e a SEMAGRO tem investido no Parque Tecnológico de Ponta Porã – Ptin, quem está em estágios avançados de efetivação para que possa apoiar iniciativas tecnológicas”.

A Fundect também atua nas instituições de ensino superior. “Nas universidades há os Núcleos de Inovação Tecnológica, que são habitats de inovação, instituídas como promotoras e apoiadoras da inovação no âmbito acadêmico. Quase todas as universidades do estado tem um NIT instituído, tais como, AGINOVA-UFMS, NIT-UEMS, S-INOVA-UCDB, INOVA-UNIGRAN, NIT-UFGD”, pontua.

Neste ecossistema o Governo do Estado tem fomentado diretamente ideias e empreendimentos inovadores por meio dos Programas Centelha e Tecnova (em conjunto com a FINEP), que 2020 distribuíram R$ 3,95 milhões por meio de editais de subvenção econômica.

Projetos

 

Para 2021 estão previstos mais R$ 3 milhões por meio do Programa do Centelha II, a selecionar 50 projetos com ideias inovadoras. “Por meio do TECNOVA I e II e Programa Centelha I já apoiamos 48 empresas inovadoras, e neste ano de 2021 teremos outras 50 apoiadas. Trata-se de uma tendência de crescimento ano a ano, pois a Fundect adotou o investimento no empreendedorismo tecnológico como estratégia de apoio ao desenvolvimento do Estado”, destaca Márcio.O Governo do Estado contruiu o contorno rodoviário de 7,19 km em Porto Murtinho, com investimentos de R$ 25 milhões e, com isso, disciplinou o tráfego pesado e deu maior rapidez na chegada das cargas aos dois portos em operação, facilitando movimentação de cargas por até 17h ininterruptas. O acesso permite que os operadores ganhem em agilidade e antecipem a saída dos comboios nos próximos cinco meses em que o Rio Paraguai é navegável.

fonte: Conteúdo ms

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *