Amambai Patrimônio Da União

KARAY ERVATEIRO

 

 

De dia Machete na mão

A noite mate no fogão!

Na semana era o labor na ranchada

No domingo cachaça para esquecer a amada.

 

O sonho de ficar rico

No trabalho com o Caá

Surgiram Paraguaios

Crianças, moços e velhos.

Com a força e resistência

Nos ombros o peso do raído

Para o sapeco da erva

O calor do carijo

Pelo sonho do ouro verde

Cruzou fronteira sem limite

De mulheres e filhos acompanhado

Do suor o sangue transformado

O serviço era bruto

Armados de faconaço e o quisê

De junho a outubro

Vestido de xiripá no cancheio

 

Grito de satisfação

Ecoava pelo erval

Era o entusiasmo do peão

Quando o monteador encontrava uma arboleta

Albertino Fachin Dias

por Amambai Patrimônio da união de um povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *