SELEÇÕES DE BASE: Ex-líbero Serginho troca experiências com atletas da sub-19

Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) – 15.09.2020

A noite desta segunda-feira (14.09) foi muito especial para os jovens talentos convidados para a seleção masculina sub-19 do Brasil. Os 33 atletas que semanalmente participam de encontros virtuais com a comissão técnica da categoria, desta vez, tiveram a oportunidade de ouvir um pouco da história de Sérgio Dutra dos Santos, o Serginho, ex-líbero e multi-campeão com a camisa amarela.

No encontro, realizado pela plataforma Webex, participaram 44 pessoas entre atletas, membros da comissão técnica e colaboradores do departamento de seleções da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Para a plateia, Serginho contou em pouco mais de 1h30 parte de sua trajetória na modalidade, e deu dicas importantes para os “herdeiros” do legado deixado pelo ex-atleta.

A gerente de seleções, Júlia Silva, deu as boas-vindas para Serginho e comentou a importância da troca de experiência entre os novos talentos e personalidades que são referência no voleibol.

“É muito importante a presença do Serginho aqui conosco para contar um pouco da história dele, que é parte da história do nosso voleibol. Muitas coisas que temos hoje são fruto das conquistas das gerações anteriores, como a do Serginho”, disse Júlia.

O técnico da seleção sub-19, Fabiano Ribeiro, o Magoo, também exaltou a oportunidade dos mais novos ouvirem o que um dos principais nomes do vôlei nacional tem a dizer.

“O Serginho é uma referência na posição, um desbravador. Tudo que ele tem para contar é importante para o nosso aprendizado. Ouvir os mais experientes é uma forma de treinamento também”, comentou Magoo.

Ao longo da conversa, Serginho mostrou seu lado mais descontraído, e garantiu que assim que os treinos presenciais retornarem, ele estará presente para participar de algumas atividades com a garotada.

“Assim que os treinos em Saquarema estiverem liberados podem me chamar que eu me comprometo a bater bola com vocês. Mas não esperem moleza, não. Eu vou dar trabalho para vocês e quero ver todo mundo se dedicando”, brincou Serginho.

A dedicação ao trabalho, aliás, foi um tema bastante recorrente no discurso do ex-líbero da seleção brasileira. Durante a palestra, Sérginho contou como iniciou no esporte, a inspiração na equipe campeã olímpica em Barcelona-92, e um pouco dos bastidores das principais competições. Entre as histórias, a primeira convocação para a seleção adulta chamou a atenção dos participantes.

“Eu cheguei no Rio de Janeiro e fui me apresentar no hotel. Eu não sabia direito o que ia acontecer, nunca tinha passado pela minha cabeça estar na seleção brasileira. Quando falei com a recepcionista, ela me disse que eu ia dividir o quarto com o Maurício. Não acreditei, ele era o meu ídolo. Fiquei quase meia hora tomando coragem para bater na porta. Quando ele abriu, eu pedi para tirar uma foto com ele e fiquei muito emocionado”, contou.

Além das boas histórias, Serginho também deu conselhos e palavras de incentivo para os jovens da seleção sub-19, que é a porta de entrada para a seleção brasileira.

“Vocês precisam saber que o voleibol nos dá muitas coisas, muitos aprendizados. Mas é preciso também renunciar a outras coisas, fazer sacrifícios. Vocês têm que estar dispostos a abrirem mão de certas coisas para buscar esse sonho. Espero que daqui saiam campeões mundiais, campeões olímpicos, vocês podem alcançar esses objetivos, mas é preciso foco e dedicação, ter uma causa e acreditar nela”, disse Serginho, que completou.

“Cada treino você precisa dar o seu máximo. A defesa tem que ir para dentro da quadra, ir onde você quer que a bola vá. Tentar sempre o seu melhor. Ir para a cobertura já acreditando que vai fazer a bola subir. Chamar a responsabilidade para si, estas atitudes fazem a diferença”, declarou Serginho.

Para encerrar a palestra Serginho contou ainda um pouco dos bastidores da conquista do título olímpico na Rio-2016, e comentou que o maior objetivo era ajudar os companheiros a realizarem o sonho de se tornarem campeões em casa.

“Eu voltei porque queria ajudar. Num dos primeiros treinos após a convocação para a Rio-2016 nos perguntarem qual era o nosso sonho. Todos os atletas disseram que era a conquista do ouro olímpico. Eu disse que o meu sonho era outro. Eu já tinha sido campeão olímpico, e já tinha perdido outras duas finais. Sabia o gosto da vitória e o da derrota. Então eu falei que o meu sonho era fazer com que o sonho de todos os outros 11 jogadores se tornasse realidade. O pessoal ficou emocionado (risos)”, lembrou Serginho.

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *