A INTERAÇÃO DA TRINDADE – LUCIANO SUBIRÁ

IGREJAVIDA CRISTÃ

 

Embora não exista na Bíblia o termo “Trindade”, é empregado como uma denominação teológica para o mistério do Pai, Filho e Espírito Santo como um só Deus mas, em três distintas pessoas (Mt 28.19). Gosto deste termo, pois não nos deixa fugir da ideia que é um só Deus. Não consigo entender com minha mente a profundidade deste assunto, mas aceito de todo coração a verdade bíblica a seu respeito. Sei que “agora vemos como que por espelho, em enigma, mas então [na glória] veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido” (1 Co 13.12).

Vemos nas Escrituras uma ação conjunta dos membros da Trindade. Nenhum deles trabalha isoladamente, antes, interagem. Observemos, por exemplo, a conjugação de verbos no plural, em textos onde Deus está falando:

“E disse Deus: FAÇAMOS o homem à NOSSA imagem, conforme a NOSSA semelhança…” (Gênesis 1.26)

“Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem irá por NÓS?” (Isaías 6.8)

Em ambos os textos, vemos a forma plural, que indica haver uma espécie de “conselho” entre o Pai, o Filho, e o Espírito Santo. Basta olhar a ordem de conjugação nas duas perguntas ouvidas pelo profeta:

  1. “A quem [eu] enviarei” – singular: uma pessoa por trás.
  2. “E quem irá por nós?” – plural: mais de uma pessoa por trás.

Diante disto podemos compreender duas verdades básicas:

  1. O profeta seria enviado para representar a Trindade: O Pai, o Filho, e o Espírito Santo.
  2. Embora como mensageiro fosse representar a Trindade, só um deles teria a responsabilidade de enviar.

INTERAÇÃO NA CRIAÇÃO

Na criação descrita em Gênesis foi assim. Vemos que o Pai está por trás dos planos; em Provérbios 8.30 temos a sabedoria falando e revelando que, na criação, “estava ao seu lado como arquiteto”; houve, portanto, planejamento, e isto está ligado ao Pai.

Mas após o planejamento, vem as etapas de execução na seguinte ordem: em primeiro lugar Deus fala, e em segundo acontece. Por trás da fala está Jesus, o verbo (Jo 1.1-3). Cada vez que se lê em Gênesis, “disse Deus”, vemos Jesus presente, pois Ele é a Palavra! E: “pela fé entendemos que os mundos foram criados pela palavra de Deus”(Hb 11.3).

Troque o termo “palavra” por “Jesus”, e verá a concordância com outros textos, como por exemplo Hebreus 1.2 que, falando de Jesus, mostra que papel ocupou na criação: “por quem fez também o mundo”. Jesus Cristo é a palavra de ordem em operação; sem Ele, nada do que foi feito se fez.

Temos, portanto, uma progressão; depois do planejamento, veio a fala, a ordem para que fosse feito. E então, após a fala, veio a execução, onde tudo acontece. E quem está por trás do papel de “fazer acontecer”? É o Espírito Santo, que “pairava” sobre a face das águas (Gn 1.2).

Alguns comentaristas da Bíblia dizem que a palavra traduzida do hebraico para “pairava”, está ligada ao ato da galinha de “chocar” seus ovos. Não é de se pensar, portanto, que o Espírito Santo estivesse brincando na água; apenas aguardava a palavra de ordem para realizar a obra! E à medida que a voz se fazia ouvir, Ele a executava.

Numa obra de construção civil, vemos pelo menos três tipos de pessoas (e trabalhos) envolvidas na construção de qualquer edifício:

1) arquiteto – responsável pelo planejamento.

2) mestre de obras – responsável por dar as ordens de execução do plano do arquiteto.

3) o pedreiro – aquele que executa a ordem do mestre de obras.

Na criação ocorreu algo semelhante: o Pai planejou, Jesus deu as ordens e o Espírito Santo as executou. Isto é interação!

INTERAÇÃO AO GERAR O CORPO DE JESUS

Como Deus, Jesus Cristo é pré-existente, mas seu corpo precisou ser formado, e nesta ocasião também vemos a interação da Trindade. A formação do corpo de Jesus é atribuída a Deus Pai, como declarou o autor da epístola aos hebreus:

“pelo que, entrando no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste, mas um corpo me preparaste” (Hb 10.5).

A participação de Deus Pai foi o planejamento, uma vez que a execução não foi realizada diretamente por Ele. Há um texto que descreve a participação do Filho e do Espírito Santo nesta interação:

“Respondeu-lhe o anjo: Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra; por isso o que há de nascer será chamado santo, filho de Deus. Disse então Maria: Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo ausentou-se dela.” (Lucas 1.35 e 38)

Em segundo lugar (como na ordem da criação), temos a Palavra em ação. Maria reconhece que o anjo é só um mensageiro e que as palavras não são suas, mas de Deus; e reconhecendo o poder criativo da Palavra, diz: “cumpra-se em mim segundo a tua palavra”. Aqui é o Verbo em ação.

Mas em terceiro lugar é que vem a execução: “Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra”. A semente é a Palavra trazida pelo anjo mas, é o Espírito Santo quem vai faze-la gerar!

INTERAÇÃO NO TRABALHO NA IGREJA

No que diz respeito ao agir de Deus na igreja, também vemos esta interação da Trindade:

“Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.” (1 Coríntios 12.4-6)

Fico entristecido quando alguns pregadores “atropelam” este ensino de Paulo, e tudo o que enxergam e ensinam em termos do agir de Deus na Igreja acaba sendo genericamente intitulado como “dons espirituais”. Já tenho lido algumas listas onde foram relacionados quase 30 dons do Espírito Santo. Chamam tudo de dom do Espírito, mas não é assim; não podemos bater tudo num liquidificador para depois tomar o “milk-shake” seja lá qual gosto que venha a ter… O texto fala sobre três coisas distintas: dons, ministérios e operações.

Os dons são nove (1 Co 12.8-10), e quem está por trás desta manifestação é o Espírito Santo. Os ministérios são cinco (Ef 4.11), e quem está por trás deles é Jesus; o termo “Senhor” usado por Paulo, refere-se a Cristo, como o é em todo o Novo Testamento. As operações tem Deus por trás de si, e isto é uma referência ao Pai; aliás, sempre que o termo “Deus” aparece de forma genérica sem a especificação de qual membro da Trindade está em evidência, ela está apontando para o Pai. Socorros, governos, exortação, misericórdia, etc… são operações (1 Co 12.28-30 e Rm 12.6-8); para facilitar, tudo o que não estiver na relação dos nove dons e dos cinco ministérios, se enquadra nas operações de Deus na Igreja.

Mas qual a importância de examinarmos tão detalhadamente esta interação?

Primeiramente é demonstrar um princípio, uma doutrina bíblica. Depois é tentar deixar mais claro o papel do Espírito Santo em nossas vidas hoje. E para isto consideremos mais um exemplo desta interação da Trindade: a redenção. E é aqui onde eu realmente queria chegar: no papel do Espírito Santo de aplicar em nós a obra da redenção.

INTERAÇÃO NA REDENÇÃO

Na redenção do homem caído, deturpado pelo pecado, os membros da Trindade mostram a mesma DISTRIBUIÇÃO DE TAREFAS encontradas nas demais áreas de interação que examinamos. Novamente, o Pai está por trás dos planos; Efésios 1.3-5 nos revela isto ao declarar que o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus nos elegeu e predestinou em Cristo para sermos filhos de adoção.

Predestinar é destinar de antemão, é traçar um plano, um alvo. É aqui que começou a redenção com o Pai, na eternidade; não foi na cruz. A cruz foi parte do cumprimento do plano; Paulo diz a Timóteo que Deus nos salvou segundo o seu próprio propósito e graça antes dos tempos eternos, mas a salvação só chegou aos homens após o aparecimento de nosso Senhor Jesus (2 Tm 1.9,10).

Jesus colocou-se como voluntário para encarnar como homem e morrer por cada um de nós. Esta voluntariedade é atestada pelo próprio Jesus quando afirmava que Ele mesmo dava sua vida (Jo 10.17,18) e por Paulo que afirmou acerca do Mestre bendito: “o qual se deu a si mesmo por nós” (Gl 1.4).

A parte de Jesus se resume na encarnação, morte, ressurreição, ascensão e sacerdócio (Hb 7.25).

O Pai planejou a redenção. O Filho pagou o preço e tornou-a disponível. Mas quem fará com que tudo isto se torne realidade na individualidade de cada ser humano?

É o Espírito Santo! Sem Ele, a obra da redenção não é completa.

O PAPEL DO ESPÍRITO SANTO NA REDENÇÃO

O arrependimento começa no homem por uma ação divina. Sabemos disto porque Paulo disse aos romanos que é a bondade de Deus que nos conduz ao arrependimento (Rm 2.4). E quem está por trás disto? É o Espírito Santo; Jesus disse: “quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça, e do juízo” (Jo 16.8). Após o arrependimento, quando o homem exerce a fé em Jesus e na obra da cruz, é o Espírito Santo quem faz com que isto se torne realidade nele.

Por isso se diz que ao nascer de novo, o homem é nascido do Espírito (Jo 3.6). E na carta a Tito lemos acerca do lavar da regeneração do Espírito Santo (Tt 3.5), o que mais uma vez aponta para a atuação do Espírito na aplicação da redenção no homem.

Mas isto é apenas o começo. O reino de Deus tem três etapas básicas pelas quais o homem deve passar: porta, caminho, e alvo. A porta é a entrada por meio de Jesus Cristo. O alvo é a chegada à estatura do varão perfeito e à glória celestial.

E entre a porta e o alvo, o que restou é o caminho. O Espírito Santo não apenas nos faz passar a porta, mas é quem leva-nos até o alvo, e para isto usa o caminho.

O caminho é o período onde experimentaremos o tratamento de Deus em nós na vida cristã; é o meio pelo qual se vai ao alvo. E tudo isto é responsabilidade do Espírito Santo; é Ele quem nos transforma de glória em glória na imagem do Senhor (2 Co 3.18), produz em nós seu fruto (Gl 5.22,23), e nos leva a andar e viver n’Ele (Gl 5.25).

A Nova Aliança é chamada por Paulo de o ministério do Espírito (2 Co 3.8), mostrando-nos seu papel de produzir em nós a obra de Deus. O Espírito Santo veio concluir a obra da redenção; é por isso que Ele está em nós.

Estes princípios devem nos levar a uma comunhão mais íntima com Deus, uma vez que entendemos a necessidade de se entregar plenamente ao Espírito Santo em nosso andar em Deus.

Autor: Luciano P. Subirá. É o responsável pelo Orvalho.Com – um ministério de ensino bíblico ao Corpo de Cristo. Também é pastor da Comunidade Alcance em Curitiba/PR. Casado com Kelly, é pai de dois filhos: Israel e Lissa.

A família em quarentena Segunda sugestão de culto familiar Tema: “Fique calmo, Deus está no controle” Quebra-gelo – Quando você está nervoso, se é que fica, você tem algum tique nervoso? – Você conhece alguém que, quando fica nervoso, tem algum tipo de tique nervoso? Refletindo na Palavra de Deus Texto bíblico: Isaías 6.1 – Leiam juntos: “No ano em que o rei Uzias morreu, eu vi o Senhor assentado num trono alto e exaltado, a a aba de sua veste enchia o templo” (Isáias 6.1) Meditação O Rei Uzias foi um dos mais importantes reis de Judá. Seu nome quer dizer: “Jeová é a minha força”. Ele foi o 10º rei de Judá, o reino do sul. Uzias era amado pelo povo. Fez grandes coisas para o prosperidade de Judá. Teve erros, o que é normal para a condição humana, mas, no geral, foi um bom rei. Isaías, o profeta, contemporâneo de Uzias, teve uma experiência marcante com Deus no ano da morte do amado rei. No ano da morte do rei Uzias, Isaías teve uma visão de Deus. Uma visão da soberania de Deus… Ele viu o Senhor Deus assentado num trono alto e exaltado. Ele não viu Deus nervoso, estalando os dedos, andando de um lado para o outro, sem saber o que fazer. Ele viu um Deus soberano. Estamos vivendo dias difíceis em todo o mundo. Todos os países estão sob o impacto dessa epidemia. O texto de hoje nos lembra que Deus está no controle. Ele não está nervoso e nem indiferente, com certeza. Quando o desespero tentar nos dominar, pensemos nesse texto da Bíblia. Deus está no controle. E que nós e nossa família, como Isaías, neste ano de pandemia, tenhamos uma experiência profunda e marcante com Deus. E que no futuro, quando lembrarmos da pandemia de 2020, lembremos do quanto foi importante para nós e nossa família conhecer o Eterno e Soberano Deus. Conversando em família – O que podemos aprender de Deus nesta crise que estamos vivendo? – Como podemos exercer nossa fé na soberania, no poder e na provisão de Deus para nós e nossa família? Motivo de oração – Ore para que cada membro da família tenha uma experiência profunda com Deus nesse tempo. – Ore pelas famílias ao seu redor, sua vizinhança. – Ore pelos países que estão sendo, nos dias de hoje, mais assolados, como os países europeus

A família em quarentena Segunda sugestão de culto familiar Tema: “Fique calmo, Deus está no controle” Quebra-gelo – Quando você está nervoso, se é que fica, você tem algum tique nervoso? – Você conhece alguém que, quando fica nervoso, tem algum tipo de tique nervoso? Refletindo na Palavra de Deus Texto bíblico: Isaías 6.1 – Leiam juntos: “No ano em que o rei Uzias morreu, eu vi o Senhor assentado num trono alto e exaltado, a a aba de sua veste enchia o templo” (Isáias 6.1) Meditação O Rei Uzias foi um dos mais importantes reis de Judá. Seu nome quer dizer: “Jeová é a minha força”. Ele foi o 10º rei de Judá, o reino do sul. Uzias era amado pelo povo. Fez grandes coisas para o prosperidade de Judá. Teve erros, o que é normal para a condição humana, mas, no geral, foi um bom rei. Isaías, o profeta, contemporâneo de Uzias, teve uma experiência marcante com Deus no ano da morte do amado rei. No ano da morte do rei Uzias, Isaías teve uma visão de Deus. Uma visão da soberania de Deus… Ele viu o Senhor Deus assentado num trono alto e exaltado. Ele não viu Deus nervoso, estalando os dedos, andando de um lado para o outro, sem saber o que fazer. Ele viu um Deus soberano. Estamos vivendo dias difíceis em todo o mundo. Todos os países estão sob o impacto dessa epidemia. O texto de hoje nos lembra que Deus está no controle. Ele não está nervoso e nem indiferente, com certeza. Quando o desespero tentar nos dominar, pensemos nesse texto da Bíblia. Deus está no controle. E que nós e nossa família, como Isaías, neste ano de pandemia, tenhamos uma experiência profunda e marcante com Deus. E que no futuro, quando lembrarmos da pandemia de 2020, lembremos do quanto foi importante para nós e nossa família conhecer o Eterno e Soberano Deus. Conversando em família – O que podemos aprender de Deus nesta crise que estamos vivendo? – Como podemos exercer nossa fé na soberania, no poder e na provisão de Deus para nós e nossa família? Motivo de oração – Ore para que cada membro da família tenha uma experiência profunda com Deus nesse tempo. – Ore pelas famílias ao seu redor, sua vizinhança. – Ore pelos países que estão sendo, nos dias de hoje, mais assolados, como os países europeus

COMO DEUS FALA HOJE?

“AMADOS, PROCURANDO EU ESCREVER-VOS COM TODA A DILIGÊNCIA ACERCA DA SALVAÇÃO COMUM, TIVE POR NECESSIDADE ESCREVER-VOS, E EXORTAR-VOS A BATALHAR PELA FÉ QUE UMA VEZ FOI DADA AOS SANTOS.” Judas 3.

“TOMAI TAMBÉM O CAPACETE DA SALVAÇÃO, E A ESPADA DO ESPÍRITO, QUE É A PALAVRA DE DEUS;” Efésios 6:17.

Algumas pessoas reivindicam que Deus fala-lhes por sonhos e visões. Em uma ocasião, eu perguntei a uma mulher como ela sabia que tinha sido salva e disse me que sabia que tinha sido salva porque estava no hospital, numa noite, próxima à morte e, no meio da noite, o Senhor apareceu-lhe em uma visão e lhe disse que não se preocupasse porque ela ficaria bem.

Algumas pessoas reivindicam que Deus fala-lhes através de revelações especiais ou pelo dom de profecia. Afirmam que Deus dá-lhes as mesmas revelações especiais que deu aos apóstolos, no tempo do Novo Testamento. Algumas pessoas reivindicam que Deus fala-lhes com voz audível. Conheci um pastor que constantemente dizia: “Deus disse-me para fazer isso” ou “Deus falou-me que isso ia acontecer.”

Algumas pessoas reivindicam que Deus fala-lhes através de impressões imediatas nas suas mentes ou daquilo ao qual gostam de se referir como “uma voz suave e quieta”. Dizem que fizeram isso ou aquilo porque repentinamente sentiram-se fortemente movidos a fazer algo.

Como Deus fala, hoje? Como revela Deus a Sua vontade a nós, hoje? Como Deus fala aos homens, hoje, chamando-os a pregar o evangelho? Como Deus fala-nos em tempos de tristeza e morte, a fim de trazer-nos conforto e paz? Os dois versículos do nosso texto dão-nos respostas a todas essas perguntas.

A BÍBLIA É A PALAVRA FINAL DE DEUS AOS HOMENS

Judas 3 diz: “Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos.” “Fé”, nesse caso, não se refere à fé pela qual uma pessoa recebe a salvação. Não se refere à convicção nem a confiança que tem o salvo no Senhor Jesus Cristo para a salvação. Essa “fé”, ou literalmente a ÚNICA fé, aqui, refere-se a todo o corpo de doutrina que o Senhor deu ao Seu povo pela revelação. Refere-se ao corpo da verdade revelada. A Bíblia, às vezes, refere-se a essa fé como a PALAVRA DA FÉ (Romanos 10:8). “FÉ”, nessa passagem de Judas, é um termo objetivo e se refere à totalidade daquilo no qual os cristãos crêem.

Judas menciona o fato de que essa fé, ou, ainda, a Palavra de Deus, FOI DADA aos santos. A palavra grega traduzida aqui como “dada” significa que esse ato se completou no passado sem que tivesse continuidade. A força da expressão “uma vez” no grego exclui qualquer possibilidade de repetição. “De uma vez para sempre” é o que essa expressão significa.

Toda a verdade de Deus para o homem está contida nas Escrituras, pois, “de uma vez para sempre”, foi-lhe entregue a Palavra de Deus, a Bíblia. Tudo aquilo de que precisamos saber de Deus e da nossa relação com Ele encontra-se na Bíblia Sagrada. Toda a verdade que veio de Deus contem-se nas Escrituras. A Bíblia é a única revelação que Deus nos deu. A revelação de Jesus Cristo nas Escrituras foi a última palavra entregue por Deus ao homem. Dessa forma Deus deu a Sua última palavra. Ele não tem mais nada a adicionar ao que está expresso na Bíblia Sagrada. Nenhuma nova revelação deve ser esperada. A Palavra de Deus foi dada uma única vez. A fé foi dada uma única vez.

Não estamos dizendo que Deus não poderia dar uma nova revelação se quisesse. Esse não é o assunto agora! Estamos afirmando que Deus não revela novos fatos porque é isso que Judas e outros afirmam, na Bíblia. A Bíblia é a total e completa revelação de Deus para o homem.

TUDO o que se exige que o homem saiba de Deus, o Seu trabalho e a Sua vontade contem-se nas Escrituras. Nada, além disso, é necessário. As Escrituras são absolutamente suficientes para se saber as coisas de Deus. “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa”, diz o Apóstolo Paulo em II Timóteo 3:16-17, “para que o homem de Deus seja perfeito (espiritualmente amadurecido), e perfeitamente instruído (totalmente equipado) para toda a boa obra.”

A Bíblia é a verdadeira e completa revelação de Deus para o homem. Deus não tem nada mais a dizer ao homem debaixo do céu que não possa ser achado na Bíblia. Eu gosto das palavras daquele grande e velho hino AS PROMESSAS DE DEUS que diz (#166 no Cantor Cristão, 6a impressão):

ACASO PODÍAMOS NÓS CONSEGUIR
MAIOR SEGURANÇA DO QUE POSSUIR
AS LINDAS PROMESSAS DO NOSSO BOM DEUS
FIRMADAS NA BÍBLIA PRA TODOS OS SEUS,
FIRMADAS NA BÍBLIA PRA TODOS OS SEUS.

Então, se a revelação de Deus está completa, não pode haver mais nenhumas visões, revelações, sinais milagrosos ou predições infalíveis. São realmente reivindicadas visões, sonhos divinos vindos de Deus, vozes e dons especiais de profecia, pois há aqueles que querem receber comunicações especiais ou inspiradas de Deus. Mas o Senhor Jesus claramente afirma-nos, em João 15:15, que “… tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer.” Como pode alguém reivindicar a possibilidade de mais revelação levando em conta essa declaração?

Provérbios 30:6 adverte-nos: “Nada acrescentes às Suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso.” Nosso texto, em Judas 3, diz que a fé foi dada aos santos uma vez e que vale para sempre. Como uma pessoa pode acrescentar algo à fé que uma vez foi dada aos santos? Além disso, o Senhor Jesus considera um anátema, amaldiçoado, qualquer um que acrescenta algo ao que já está escrito na Bíblia: “Se alguém acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro;” em Apocalipse 22:18.

Por que é anátema aquele que acrescenta algo ao livro de Deus? Porque a revelação está completa! Nada mais é necessário. Deus fechou o Livro! Apocalipse é o último livro que veio de um Apóstolo. Qualquer profecia, depois dos tempos dos Apóstolos, é anátema, segundo Deus.

A posição que os batistas assumiram ao longo da história acerca desse assunto está expressada claramente na Confissão de Fé da Filadélfia.

“Todo o conselho de Deus relativo a todas as coisas necessárias para a Sua própria glória, a salvação do homem, fé e vida, ou está expressamente afirmado ou necessariamente contido nas Escrituras Sagradas; nada pode ser-lhe acrescentado, seja por nova revelação do espírito, seja pelas tradições dos homens.”

Muitas pessoas, hoje, querem “uma nova mensagem do céu” em vez das Escrituras Sagradas. Alguns, com olhos escurecidos, lêem as próprias declarações do Filho de Deus e, depois, procuram por coisas mais excitantes fora delas! As pessoas que buscam sonhos e VISÕES como sendo revelações vindas de Deus estão pressupondo claramente que a Bíblia não pode tornar um homem perfeito e perfeitamente instruído para toda a boa obra. Estão negando a suficiência das Escrituras!

Henry W. Frost, um dos principais escritores do movimento Pentecostal moderno, fez uma declaração reveladora em seu livro “Cura Miraculosa” (Publicações Evangélicas Selecionadas, São Paulo, páginas 99-100, 1984.):

“Talvez se possa esperar com confiança que, à medida que a atual apostasia aumentar, Cristo manifestará Sua deidade e Seu senhorio em proporção cada vez maior através de sinais prodigiosos, inclusive curas. Não dizemos, portanto, que a Palavra é suficiente. É suficiente para os que a conhecem e acreditam nela; mas não é para aqueles que nunca ouviram falar dela ou que, tendo ouvido, não creram nela. Para essas pessoas, deve ser feito um apelo num plano mais facilmente entendido, a saber, no plano físico.”

Esse modo de pensar, abertamente e sem nenhuma ressalva, nega que a Bíblia seja capaz o suficiente para suprir todas as necessidades do homem

DEUS FALA AOS HOMENS HOJE PELA BÍBLIA

Os meios ou as ferramentas pelos quais Deus fala aos homens hoje não são visões, sonhos, vozes ou dons especiais de profecia. O meio pelo qual Deus fala hoje é a Palavra de Deus escrita.

O Apóstolo Paulo diz em Efésios 6:17: “Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus.” O Apóstolo Paulo está dizendo aqui que o Espírito Santo de Deus usa a Palavra de Deus para falar e para fazer o Seu trabalho nesse mundo hoje. A Palavra de Deus escrita é a espada, o instrumento e a ferramenta do Espírito Santo, com os quais Ele opera nesse mundo para falar aos homens, hoje. As Escrituras são uma espada afiada que convence os homens do pecado, mostra a ira de Deus, refuta o erro e a heresia, resiste às tentações de Satanás e revela a vontade de Deus.

A BÍBLIA e SOMENTE A BÍBLIA é a Palavra de Deus, hoje. O único meio pelo qual o Espírito Santo fala a esse mundo hoje é a Palavra de Deus escrita, a Bíblia. Somente nEla e através dEla que chegamos ao conhecimento dAquele que é a imagem do Deus invisível e ao contato com Ele.

Como sabemos qual é a vontade de Deus, hoje? Como descobrimos qual é especificamente a vontade de Deus para nossas próprias vidas? Pastores, conselheiros, pais e amigos podem ajudar-nos a entender a mensagem e o significado da vontade de Deus, mas eles, contudo, devem estar baseados nas Escrituras Sagradas. Não há nenhum conhecimento da vontade de Deus de que o homem necessite hoje que não esteja declarado na Bíblia ou que não possa ser deduzido da Bíblia através de meditação espiritual dEla.

Toda necessidade espiritual que possamos ter está completamente abordada na Palavra de Deus escrita. Ela é absolutamente suficiente para cada necessidade que possivelmente tenhamos, se não em declarações diretas, em princípios estabelecidos. Repetindo, II Timóteo 3:16-17 afirma que “toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.” Escute! O Espírito Santo nunca revela nada à alma que não está nas Escrituras! Não tenha dúvidas!

E a vontade de Deus para a tua e a minha vida? Como Deus revela a Sua vontade a nós, hoje? Em primeiro lugar, precisamos reconhecer que a vontade de Deus está sempre concordante com a Sua Palavra. Deus não tratará conosco sem observar a Sua palavra (as Escrituras Sagradas)!

O que, então, devemos fazer dos sonhos, visões, impressões e dons de profecia etc.” O que devemos pensar sobre os sonhos? Muitas pessoas crêem que seus sonhos são mensagens de Deus. Precisamos entender que todo mundo, mais cedo ou mais tarde, sonha. Este é um fenômeno que Deus construiu na psique humana.

Há muita coisa envolvida quando o assunto são sonhos. Quando eu trabalhava na penitenciária estadual em Granito, Oklahoma, cheguei a perceber que os presos têm alta incidência de sonhos sérios e por isso comecei a pensar e a estudar sobre sonhos. Uma coisa que descobri foi o fato de que, durante o nosso sono, nossas mentes e, especialmente nosso subconsciente, está livre e desinibida. Muitas vezes, o que ouvimos, pensamos ou relembramos nas últimas 24 horas volta-nos em sonhos à noite.

Eu também descobri que coisas como culpa, especialmente a culpa, mexe com o subconsciente de forma que os pensamentos, às vezes, tornam-se muito mais vívidos e sérios. Homens que se sentem culpados freqüentemente têm pesadelos, visões e sonhos sérios mais do que aqueles que não se sentem culpados. Existem várias outras coisas que produzem e estimulam sonhos, tais como indigestão e preocupação.

Eu também descobri que sonhos são um dispositivo que Deus embutiu em nossas mentes a fim de nos ajudar a permanecer adormecidos quando estamos prestes a despertar ou quando temos um sono leve. Portanto sonhos têm um propósito no esquema de Deus, mas esse propósito não é revelar a mensagem de Deus ou a Sua vontade!

E as fortes impressões que as vezes nos animam a fazer algo para o Senhor? O perigo de confiar que impressões são mensagens ou instruções de Deus está no fato de que, além do Espírito Santo, existem outros seres espirituais e influências que podem trazer-nos impressões. I João 4:1 diz: “Amados, não creiais a todo espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo.” E o fundamento pelo qual julgamos os espíritos é, obviamente, a Palavra de Deus.

Quando uma mulher se sente “impressionada” ou “conduzida pelo espírito” para pregar no púlpito, ela não está sendo movida pelo Espírito Santo, está guiada por um “outro espírito”, porque as Escrituras Sagradas, pela qual o Espírito de Deus fala, proíbe radicalmente que as mulheres preguem em I Timóteo 2:12. Se um jovem Cristão se sente “conduzido” a se casar com uma incrédula, ele está sendo movido por um “outro espírito”, não pelo Espírito Santo, porque a Palavra de Deus proíbe isso estritamente em II Coríntios 6:14-18.

De maneira nenhuma devemos viver de acordo com nossas próprias intuições e impressões aparte da Palavra de Deus. Temos que medir essas impressões pela Palavra de Deus. Temos que buscar aquilo que Deus diz na Sua palavra. O critério que devemos usar para julgar a liderança do Espírito em todas as coisas é unicamente a Palavra de Deus. Tudo deve ser medido pela Palavra de Deus. O Espírito Santo comove as pessoas para que façam coisas. Mas sempre concordantes, fundadas e consistentes tendo em vista a Palavra de Deus escrita.

O Espírito Santo faz que o coração se disponha a aceitar a verdade e os deveres ensinados pelas Escrituras. Quando ficamos fortemente comovidos a testemunhar a alguém sobre o Senhor Jesus Cristo, é porque o Espírito Santo está implementando a Palavra de Deus que nos manda pregar o Evangelho a toda criatura. Num tempo ou outro, lemos ou recebemos essa instrução da Palavra de Deus e Ele impressiona essa verdade em nossos corações em relação a algum indivíduo particular.

Pensemos um pouco mais sobre a obra que o Espírito Santo tem de falar através das Escrituras. Como é que o Espírito Santo fala pela Bíblia? Como é que Ele fala pela Palavra de Deus?

É possível que alguém conheça fatos da Bíblia e, ainda assim, não saiba qual é a vontade de Deus. Os Judeus, na época de Jesus, tinham as Escrituras e a conheciam nos mínimos detalhes de cada letra e, mesmo assim, não conheceram a Deus, o Filho, quando apareceu entre eles. O que estava errado?

A Palavra de Deus é uma espada, uma espada afiada de dois gumes, mas a sua eficácia depende no Espírito Santo. Sem a obra do Espírito Santo na Palavra, Ela não é eficaz. O Espírito Santo faz com que a Palavra de Deus seja eficaz e poderosa. Um pregador explica isso da seguinte maneira: O ESPÍRITO NÃO NOS ENSINARÁ SEM A PALAVRA. A PALAVRA NÃO NOS ENSINARÁ SEM O ESPÍRITO.

Esse trabalho educador que tem o Espírito Santo, a eficácia da palavra do Espírito, que é a Palavra de Deus, é aquilo a que normalmente nos referimos como a obra iluminadora do Espírito Santo ou a obra de iluminação pelo Espírito Santo. John Owen definiu iluminação como:

“A operação efetiva do Espírito Santo, livrando nossas mentes da escuridão, ignorância e preconceitos, permitindo-nos discernir coisas espirituais da maneira correta.”

A iluminação interior do Espírito de Deus se faz necessária para que haja compreensão salvadora das coisas que são reveladas na Bíblia. Não podemos chegar a qualquer compreensão adequada da palavra sem essa obra do Espírito Santo.

O Espírito Santo ilumina o nosso entendimento e conduz a nossa vontade para que façamos o que agrada a Deus. O Espírito Santo opera na palavra e pela palavra, abrindo o nosso entendimento aos ensinos, às advertências, às condenações e a convites da Palavra de Deus. Deus fala hoje pela operação iluminadora do Espírito Santo, abrindo a compreensão daqueles em quem Ele trabalha, para que façam a sua vontade como é revelado na Sua Palavra.

ALGUMAS APLICAÇÕES

Primeiramente, se Deus fala pela Palavra escrita, a espada do Espírito, temos que nos tornar estudantes diligentes da Sua Palavra se queremos saber qual é a Sua vontade. Sabendo qual é a vontade de Deus, muitos problemas podem ser resolvidos se, em vez de perguntar “é essa a vontade de Deus?”, perguntássemos, “isso está de acordo com a Palavra de Deus?”

A cada decisão que tomamos, a cada plano que temos, a cada ação que executamos, perguntamo-nos, “isso está em harmonia com a Palavra de Deus escrita?” Se alguma coisa está em harmonia com a Palavra de Deus, podemos assegurar-nos de que essa é a vontade de Deus, porque ela está revelada na Sua Palavra. Se estou fazendo o que ensinam as Escrituras, devo ser conduzido pelo Espírito de Deus, porque o Espírito nunca leva ninguém a agir em oposição à Palavra de Deus escrita.

Em segundo lugar, se Deus só fala pela Sua Palavra, hoje, é essencial que oremos para que o Espírito Santo nos ilumine de forma que possamos entender a Palavra que recebemos. Não precisamos de revelações adicionais de Deus. Precisamos orar para que o Espírito de Deus nos ilumine de tal forma que entendamos a Sua Palavra que já temos conosco. Temos que orar fervorosamente para que o Espírito de sabedoria e de revelação abra os olhos da nossa compreensão. Precisamos orar como Davi no Salmo 119:18, “Abre Tu os meus olhos, para que veja as maravilhas da Tua lei.” Essa é uma oração que pede a obra iluminadora do Espírito Santo.

Em terceiro lugar, se a Bíblia é a fé uma vez dada aos santos, como Judas 3 diz que é, temos que orar, temos que ensinar e distribuir a Palavra de Deus com toda dedicação. De outra forma, o mundo não se conforma à vontade de Deus para a salvação, no quotidiano ou em qualquer outra atividade.

Em quatro lugar, se somos chamados para batalhar pela fé que Deus deu aos santos para sempre, sobre a qual Deus nos deu Sua última palavra, temos que rejeitar qualquer reivindicação por novas revelações. Nem anjos nem milagres deverem levar-nos a aceitar qualquer acréscimo à Palavra de Deus escrita. A Palavra de Deus escrita é perfeita, completa, suficiente e o homem de Deus deve, portanto, recusar qualquer outra revelação. Porque a revelação de Deus está completa e porque unicamente o Espírito Santo opera pela Palavra de Deus escrita. Qualquer reivindicação por outra revelação, além daquela que Deus já nos concedeu pela Bíblia, é falsa e deve ser rejeitada.

Algumas seitas reivindicam o fato de Deus ter se pronunciado através de outros livros desde a época em que a Bíblia foi escrita. Por isso temos “Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras”, “O Livro de Mórmon”, “Doutrinas e Alianças” e “Pérola de Grande Valor”. Algumas das marcas de uma seita são reivindicar outros livros, outras revelações consideradas necessárias além da Bíblia e que Deus continua falando desde que a Bíblia se completou.

CONCLUSÃO

A Bíblia, a preciosa Palavra de Deus, é de extrema importância. Tudo o que se relaciona à salvação, à vida presente e ao porvir depende dela.

Deus, por meio da Bíblia, fala aos pecadores perdidos. A Bíblia fala aos homens e às mulheres e aos meninos e às meninas que estão perdidos no pecado e indo ao inferno por isso. A Bíblia nos diz que não há nada que um pecador possa fazer para se salvar ou para ajudar a se salvar. A Bíblia nos diz que a salvação é uma obra da graça de Deus e que, somente quando o Espírito Santo regenera um pecador e lhe dá vida espiritual, esse pecador pode arrepender-se dos seus pecados, crer no evangelho de Jesus Cristo e ser salvo.

Meu amigo pecador, a Bíblia tanto manda quanto convida que te arrependas de teus pecados e venha a Cristo para a salvação. Que o Espírito Santo ilumine teu coração hoje, abrindo os seus olhos de forma que você entenda e responda à vontade de Deus como é revelado na Sua Palavra.

LAURENCE JUSTICE

Laurence Anson tem cinqüenta e sete anos, é casado com Lyndy Eddy que veio de Searcy, Arkansas, e tem três filhos. Justice é formado pela Universidade Batista de Oklahoma e pelo Seminário Teológico Batista do Sudoeste. Ele tem pastoreado a Igreja Batista na Avenida Kentucky, Oklahoma City, a Primeira Igreja Batista de Willow, Oklahoma, e a Igreja Batista Hillcrest, Midwest City, Oklahoma, e está pastoreando a Igreja Batista da Vitória em Kansas City, Missouri. Ele também tem pastoreado no Alabama e servido como Chapelão na prisão estadual de segurança média em Granite, Oklahoma.

Entre suas publicações, incluem-se: “Pequeno Alcatraz”, “A Música na Igreja”, “Por que, Senhor, Por que?”, “O Pentecostalismo”, “Uma Igreja Batista Deve Ter Anciões?”, “Uma Igreja Batista Deve Reconhecer O Batismo Estranho?”, “Uma Igreja Batista Deve Consagrar Diaconisas?”, “Uma Igreja Batista Deve Praticar Um Governo Democrático Na Igreja?”, “Os Batistas Devem Adotar Confissões de Fé?”, “Cristãos Devem se Aposentar?”, “O Cristão e o Serviço Militar” e “Deve uma Igreja Batista Tolerar Musica Contemporânea Moderna?”

 

Autor: Pr Laurence A. Justice
Tradução: Calvin G. Gardner 12/00
Revisão Textual: Albano Dalla Pria 01/01
Fonte: www.palavraprudente.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *