TOP 5: Confira quais são as avenidas com trânsito mais violento em Campo Grande

Conforme último levantamento da Agetran, neste ano já foram registrados 3.241 acidentes.

As avenidas Afonso Pena, Mato Grosso, Duque de Caxias, Ernesto Geisel e Guaicurus estão no topo da lista de vias com maior número de acidentes registrados neste ano, pelo GGIT (Gabinete de Gestão Integrada de Trânsito) da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito).

Na Capital, conforme os últimos levantamentos, de janeiro a abril aconteceram 3.241 acidentes, sendo 1.172 com vítimas e 18 óbitos. Na Afonso Pena foram registradas 158 ocorrências; já na Mato Grosso, 82. Como terceira da lista, a Avenida Duque de Caxias registrou 68 acidentes, na Ernesto Geisel e Guaicurus aconteceram 62 e 61 respectivamente.

Cruzamento da Avenida Afonso Pena e Calógeras (Foto: Cleber Rabelo)

Para o motoboy Henrique Duarte Fernandes, independente do horário a Avenida Afonso Pena apresenta um grande fluxo de veículos. “Essa é uma das avenidas mais perigosas, tanto para pedestres quanto para motoristas, motociclistas e passageiros. No cruzamento com a Calógeras, por exemplo, não há espaço para virar. O encontro dessas duas vias é fatal”.

Sobre a quantidade de acidentes, a causa apontada pela maioria dos condutores é a imprudência de quem está no trânsito. O motoboy conta que já sofreu 7 acidentes e culpa a falta de atenção dos motoristas. “Tenho 7 fraturas do lado esquerdo do corpo e tudo aconteceu por causa de motorista que furou o sinal e desrespeitou a via preferencial”, reclama.

Av. Ernesto Geisel e Dr. João Rosa Pires

A Avenida Ernesto Geisel é outro ponto da cidade que dá acesso a vários bairros. Há 20 anos, o empresário Cícero Medeiros, administra um comércio que fica no cruzamento com a Av. Dr. João Rosa Pires. O empresário já perdeu as contas de quantos acidentes viu por lá. “Tinha uma época em que todo dia acontecia acidente aqui. Atualmente, vejo pelo menos 3 por semana e o principal fator é imprudência do próprio condutor. Mesmo sinalizando, o motorista tem que ficar esperto. Falta mais conscientização”, afirma.

Velocidade excessiva e condutores sem CNH

A chefe da divisão de educação para o trânsito da Agetran, Ivanise Rotta, afirma que o excesso de velocidade é o principal causador de acidentes. Outro fator preocupante, conforme a chefe da divisão de educação, é a falta de conhecimento desses condutores, já que cerca de 40% dos motoristas e motociclistas que são parados em blitz, não tem habilitação.

“As pessoas invertem as coisas, antes de tirarem a habilitação elas compram o veículo. Nesses óbitos, o primeiro fator foi a velocidade, o segundo foi a falta da CNH. Quem matou e quem morreu não tinha carteira de habilitação”, diz.

Avenida Duque de Caxias 

Em janeiro o gabinete de gestão integrada registrou 995 ocorrências, em fevereiro o número subiu para 1.068, já em março a estatística registrou outro aumento, com 1.071 acidentes e em abril, até o último levantamento, 107 ocorrências foram registradas.

Fonte : https://www.midiamax.com.br/municipios/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *